Projeto incentiva cultivo de plantas medicinais
Artigos e Notícias - Agrárias PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lumika   
Qui, 30 de Setembro de 2010 20:40

O assentamento Domingos Carvalho, localizado a 30 quilômetros  do município de Rio Negrinho, no norte de Santa Catarina, foi criado em 1999 e abriga oficialmente 30 famílias, de acordo com dados de 2008 do INCRA. Outras 12 vivem nas instalações como parentes e agregados. Das 30 famílias assentadas, 25 dependem de trabalhos externos, como diaristas em roças de fumo, para completar a renda, que varia de R$ 200,00 a R$ 1.600,00. O acesso precário à cultura, lazer, educação e saúde e dificuldades com o trabalho fazem  parte da população jovem deixar o local.

 

Condições como estas se repetem em outros assentamentos da região norte, que possui o menor IDH de Santa Catarina. Um projeto do LECERA (Laboratório de Educação do Campo e Estudos da Reforma Agrária) em parceria com o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais e Sem Terra), o INCRA-SC (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e o NEPEPS (Núcleo de Extensão e Pesquisa em Educação Popular e Saúde), procurou desenvolver o cultivo de plantas medicinais, aromáticas e condimentares (PMACs) em 13 assentamentos e três acampamentos da região, como uma forma de acesso à saúde e resgate cultural.

A utilização das plantas medicinais para o tratamento de doenças constitui um amplo campo de pesquisas e pode fornecer subsídios para valorizar e recuperar o saber popular, promovendo a saúde. Os assentados encontram nas plantas uma fonte alternativa, tradicional e natural para curar suas enfermidades. As pesquisas e projetos na área ajudam a suprir uma carência de informações técnicas e agronômicas sobre produção, colheita e beneficiamento, assim como esclarecem aspectos de nomenclatura botânica, toxicologia e formas de uso.

Esta semana, a equipe do LECERA apresentou alguns resultados desta parceria durante a VI Jornada Catarinense de Plantas Medicinais. Fernanda Savicki de Almeida, ex-bolsista do laboratório e hoje doutoranda em recursos genéticos e vegetais, esteve presente desde a primeira reunião que construiu a Jornada. Na apresentação de seu trabalho no evento, ela apresentou resultados do projeto das PMACs que dão base para a sua tese. O pesquisador Clarilton Ribas, coordenador do laboratório, palestrou sobre plantas medicinais como alternativa e solução para a saúde.

Última atualização em Ter, 05 de Abril de 2011 20:31
 

Artigos relacionados

Adicionar comentário

* Campo obrigatório.




Código de segurança
Atualizar